Corpo é encontrado sem cabeça em motel da BR-316

terça-feira, 12 de julho de 2011
O que terminaria em momentos de prazer, em um quarto de motel, se transformou em um cenário macabro,resultado de ações violentas planejadas. No banheiro da suíte, um corpo do sexo masculino todo ensacado, estava sem a cabeça e sem as pontas dos dedos. Ficou apenas o tronco, os braços e as pernas, sendo que todos os membros foram cortados nas juntas. Em plena luz do dia de ontem (11), uma cena assustadora que remete o sentimento de ódio e frieza.

Por volta de 10h, os funcionários de um motel, no bairro da Guanabara, em Belém, se assustaram ao se depararem com tanta crueldade. Os funcionários estavam estranhando a falta de movimentação do cliente que usava o apartamento 403. “Tava tudo silêncio, ele não ligava para pedir nada, tava uma situação estranha”, disse um funcionário que optou pelo anonimato.

INTRIGANTE
O pressentimento de que algo estava errado surgiu nos funcionários, devido a saída dispersa dos clientes. Pois o homem, vítima do esquartejamento, chegou ao local na companhia de mais três pessoas, em um táxi, por volta de 21h de domingo. Os quatro solicitaram duas suítes: a 403 e a 406.

“O que sei é que tinha uma mulher e dois homens e a quarta pessoa não sei se é homem ou mulher, não deu para identificar, até porque entra tanta gente e temos que ser discretos”, disse o funcionário, que pediu anonimato.

Após três horas, os clientes dos dois quartos passaram a deixar o local de forma dispersa, cada um em um táxi, mas restando uma das pessoas.

“Tava estranho porque deu 10h e a pessoa continuava no quarto, não pedia nada, nem a conta, tudo silêncio, aí a camareira bateu na porta várias vezes e devagar ela abriu e foi aí que ela se deparou com o corpo dentro de um saco e sem mais ninguém no local”, disse o funcionário. O primeiro a ser avisado foi o proprietário do estabelecimento, e depois a polícia.

Imagens do circuito poderão revelar assassinos
Os quartos usados pelos clientes envolvidos nesse crime ficam em um local que não tem acesso a estacionamento privado (eles precisam caminhar por um corredor para chegar ao quarto).

Já por volta de 00h30 de ontem, foi solicitado um táxi e uma daquelas quatro pessoas, nesse caso um homem, saiu de um dos quartos.

Logo em seguida, 00h45, mais um táxi foi solicitado e mais uma pessoa deixou o local, dessa vez uma mulher, com uma latinha de cerveja na mão e com um semblante tranquilo. Assim descreveram os dois taxistas, (que terão a identidade reservada), sobre o momento em que foram cumprir suas corridas. Os dois taxistas foram chamados, na manhã de ontem, ao local do crime, para colaborar com a polícia.

“O homem que entrou no meu carro tinha uma pinta afeminada, mas eu acho que ele estava fingindo, ele pediu para eu deixar ele em frente a uma pizzaria na BR”, disse um dos taxistas. Já o que fez a corrida para a mulher disse que, “ela aparenta ser uma coroa, estava com uma latinha de cerveja na mão e veio andando pelo corredor”.

Os motoristas não desconfiaram de nada, “é normal sair de um por um. Às vezes é porque são pessoas casadas que não podem sair juntas, por isso nem desconfiamos de nada”, disse um deles.

POLÍCIA
A movimentação de policiais foi intensa na manhã de ontem no local do crime. Os Policiais civis da delegacia da Guanabara e os militares e da Divisão de Homicídios se surpreenderam com a cena violenta. O principal questionamento era o que a vítima tinha feito de tão grave para despertar tanto ódio em uma pessoa para se vingar dessa maneira. “Eu trabalho há certo tempo como delegado, mas estou impressionado com tanta crueldade”, disse o delegado Eduardo Rollo.

O delegado Luiz Xavier, da Divisão de Homicídio, e que provavelmente será o responsável pelo inquérito policial, informou que existem algumas linhas de investigação para serem seguidas. “Os assassinos fizeram isso de forma pensada, eles cortaram de forma profissional o corpo da vítima, eles ainda lavaram o corpo e depois colocaram em um saco. Tudo indica que eles iam tirar o corpo daqui (do motel), mas eles perceberam a dificuldade pela falta de estacionamento na porta do quarto e acabaram desistindo, mas eles tiveram a frieza de levar a cabeça e as pontas dos dedos, com a intenção de dificultar a identidade da vítima”, detalhou Luiz Xavier.

CIRCUITO
Contudo, polícia vai trabalhar com as imagens das câmeras de segurança do motel e com a identificação da placa do táxi que deixou os quatro no local. Os policiais também vão precisar identificar a terceira pessoa envolvida, pois além da vítima, havia mais três pessoas e duas delas foram vistas pelos taxistas. (Diário do Pará).

Fonte: Diário do Pará

Temos:
Comentários (2)
fernando disse...

onde foi isso? em q motel?

SamWilliams disse...

Amigo, tudo indica que é no Colonial...

Postar um comentário

Obrigado pela visita, volte sempre!
Ajude-nos a divulgar o Açai Azedo.

Cadastre-se abaixo e Receba os downloads em seu E-mail